SEGUIDORES

terça-feira, 8 de outubro de 2013

Café com Poesia

"CAFÉ COM POESIA"
 
O tema principal é poesia, mas nunca falta Música - Dança - e mais Artes Diversas.
E lá está Alexandre Jaza apresentando o programa com toda a alegria assim como Eva.
E, claro um cheirinho a café que fumega sempre ao nosso alcance.
 
Realização Sociedade  Mundial dos Poetas
O nosso colega índio Feitosa sempre presente com seu violão, canta e encanta.
                                                                          
 
Na foto abaixo cantando o hino na abertura do programa.
 
 
Wilson Jaza diretor da "Casa do Poeta de São Paulo" também sempre presente no evento
 
 
 
"HÁ POESIA EM QUALQUER CANTO"
 
Sonhei que voava...
Perdi-me por entre as nuvens
elas eram úmidas e macias...
Olharam-me atordoadas
e perguntaram:
 
Que fazes aqui ó nuvem estranha?
Tu és da Terra, tens forma de gente
Nós somos nuvens, matéria do ar,
Aqui não é teu lugar, que buscas então?
 
Eu as olhei e respondi:
Busco inspiração
 que não encontrei
Naqueles lugares
por onde passei.
 
Quero ser poeta ó nuvem do céu
Sinto a poesia dentro de mim
Na Terra há bloqueio,
Há barulho - poluição...
E, falta-me inspiração.
 
A nuvem branca sorriu pra mim...
Falou baixinho:
Se és poeta eu te garanto
Que há poesia em qualquer canto,
Nas nuvens, no mar, na terra...
 
Abri os olhos... Oh, luz suprema!
Olhei as nuvens...Olhei a terra...
E, de mansinho, fiz um poema.
 
(Isabel Sousa)
 
Aqui fica o convite aos leitores de meu Blog para comparecerem ao evento.
Vale a pena!!!!!!
 

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Mais uma Virada Cultural em São Paulo

Várias atrações por toda a cidade

Eu estive presente na Casa das Rosas. cujo evento levou o nome de:
"VIRADA DA POESIA NA CASA"




Vários grupos se apresentaram todos com grande destaque

À meia noite aconteceu "SARAOKÊ DA VIRADA"
Uma ousada  e divertida experiência de improvisação coletiva. Tudo isso intermeado por inserções poéticas dos apresentadores.

Muitas histórias - muita música...... houve coco, xote, baião e marchinhas, uma riqueza e variedades de ritmos.

Domingo : Programação infantil.   
 
Não faltou o "Bumba Meu Boi" e o publico foi convidado a dançar e a cantar as brincadeiras tradicionais
do Brasil. 
 
Terminou a "VIRADA CULTURAL" de 2013 com uma sempre justa  homenagem a Luís Gonzaga, o eterno rei do baião.
 

domingo, 14 de abril de 2013

Incentivo à Leitura.

Biblioteca Monteiro Lobato
Mais um evento de incentivo à leitura realizado com grande sucesso.
 "Livros... livros à mão cheia...
E manda o povo pensar!
O livro caindo n´alma
É germe - que faz a palma,
É chuva  - que faz o mar."

Castro Alves
 Livros - leituras - palavras e mais palavras... escrever, ler, imaginar... enriquece a nossa compreensão, a expressão verbal, a transição entre palavras e seus significados. Para pensar bem precisa saber lidar com as palavras, para tal a leitura é essencial.
 Foi assim que passamos uma tarde na Biblioteca Monteiro Lobato. Lá dentro estava sendo contada a História do grande escritor Monteiro Lobato, que tantas imagens e histórias criou,  que serão sempre contadas ou lidas com o mesmo entusiasmo. Quem não conhece a Emilia? A dona Benta? "O sítio do Pica-pau Amarelo? E, muito mais.
                                                                                           
                                                                                                      
 Gostar de ler não é um dom, mas um hábito que se adquire.

Escrever, talvez seja uma ansiedade de colocar para fora o que nos vai na alma e, a necessidade de passar para o papel algo que sentimos importante de arquivar.

"Palavras - Versos"

Afinal por que escrevi?
Há algo que transborda em mim,
Ansiedade, sentimentos...
Mistura de alegria e tristeza.
Amores - dissabores - tormentos...
A vida é assim, uns precisam gritar,
Outros silenciar envoltos em nostalgia,
Que sai da própria essência,
Da vida - da noite - do dia...

     Isabel Sousa
                                                                                 

quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Parei nos entas

 
Desde que entrei nos entas
Deixei de na idade pensar.
Quarentas... cinquentas... sessentas...
Só prá frente caminhar.
Pensei escrever um poema...
Não me sentia inspirada...
Eu vos conto o meu dilema:
Fazer mais anos? que nada!               
                                                                
Entrar nos entas? é veloz!
Deles sair viva? Glória!
Aí erguerei minha voz
Com um grito de vitória!

                                                     Cem anos, que felicidade!
                                                     Os zeros são sem valor...
                                                     Tiro os zeros de verdade,
                                                      E o número fica menor.

                                                             Declamando meus versos
                                                            Transformo tudo em flores
                                                             Revelo meus sonhos dispersos
                                                             Em um mundo cheio de cores

                                               Andarei de bengala? Que nada!
                                               Apoiar-me-ei na poesia...
                                               Olharei o infinito deslumbrada...
                                                Com uma doce nostalgia!

                                                Terei uma força suprema.
                                                 Uma inspiração especial,
                                                 Escreverei um poema,
                                                  Que me fará imortal!
                                                                                                              (Isabel Sousa)